As estrias atróficas são lesões decorrentes da degeneração das fibras elásticas da pele que ocorrem por sua distensão exagerada ou devido a alterações hormonais. É comum o surgimento durante a puberdade em razão do crescimento acelerado e também em casos de obesidade e na gravidez. Atinge os dois sexos, porém é mais frequente entre as mulheres – aliás, essa é uma das principais queixas estéticas entre elas.

A ruptura das fibras forma lesões lineares, geralmente paralelas, que podem variar de um a vários centímetros de extensão. Surgem principalmente nas coxas, nádegas, abdômen, mamas e dorso do tronco (homens). Inicialmente são avermelhadas ou róseas evoluindo mais tarde para uma tonalidade esbranquiçada. E a pele na área afetada tem consistência frouxa.

O surgimento das estrias depende de uma tendência pessoal. Algumas pessoas as desenvolvem mesmo com pouca distensão da pele e outras escapam do problema mesmo em situações que favorecem seu aparecimento, como a gravidez.

De qualquer forma, recomenda-se a hidratação intensa da pele com cremes e loções hidratantes para tentar evitá-las, principalmente em pessoas com histórico familiar de estrias. Deve-se beber pelo menos oito copos de água por dia (cerca de dois litros) e evitar engordar demais e rapidamente, seguindo dieta equilibrada e praticando exercícios físicos regularmente.

As estrias são lesões irreversíveis e não existe um tratamento que faça a pele voltar ao que era antes. Mas é possível melhorar o aspecto, estimulando a formação de tecido colágeno subjacente e tornando-as mais semelhantes à pele ao redor. Para isso várias técnicas podem ser empregadas, como:

  • Tratamento com ácidos para estimular a formação de tecido colágeno: pode haver descamação e vermelhidão e a concentração ideal para cada caso deve ser definida pelo dermatologista, de acordo com o tipo de pele.
  • Peelings: têm a mesma ação dos ácidos, porém de uma forma mais acelerada e intensa.
  • Micro lixamento das estrias: provoca reação semelhante à dos peelings, com formação de colágeno, mas com a vantagem de regularizar a superfície da pele, que ganha mais uniformidade, ficando mais semelhante à pele ao redor.
  • Luz intensa pulsada e laser infravermelho: provocam o fechamento dos pequenos vasos nas estrias avermelhadas e promovem a formação de novo colágeno, respectivamente, com diminuição do tamanho das estrias recentes ou antigas.

Estes são procedimentos médicos e apenas profissionais devem realizá-los, indicando o que for melhor de acordo com cada caso.